terça-feira

Dia e Noite

longo dia
lâmpada acesa
lente dinâmica
entre a fumaça
corremos, voláteis
luz ditosa
caretas lúcidas
promessas lúdicas
empregos lícitos
da língua
lucramos lágrimas
de lantejoula
somos lírios ao sol
lições coloridas
por braços laboriosos
longa noite
livre estática
em que trocamos
o peso vocabular
pelo peso dos corpos
...ou lírica elástica
e as frases então
são como degraus
ditirâmbicos passos
dos porões aos sótãos
lenta escrita
perdemos o tempo
e as gramáticas
laivo estético
o vinho inflama
cobre os abismos
remoçamos cínicos
loucos por céu
cavalos flambados
além das estrelas
nos últimos goles
de sombra.

quinta-feira

Tempestades

na textura do teu sorriso
um hotel de histórias breves
canções de uma vida leve
pequenas febres
que o tempo arranja...
mas diz, menina
alguma vez
o vento fez
desarranjar
tua franja?
algum veneno
correu teus lábios
melou tua boca,
manchou teus mares
e a bruma doce
do teu beijo?
velejando
jamais deixaste exalar
no calor desses trópicos
perfumes filosóficos
espirros bazóficos?
não faças assim
não escondas de mim
o que te faz plena
e inacabada:
o teu simples navegar
tua sina, menina.